Gestão de Pessoas

Profissional T-Shaped: o que é e como se tornar um

14 min de leitura | 07 de janeiro 2022

O mercado está cada vez mais competitivo e, com isso, é cada vez mais importante encontrar maneiras de se destacar entre os profissionais disponíveis para ter diferencial competitivo ao se candidatar a uma vaga na empresa em que você deseja trabalhar.

Atualmente, as organizações estão muito interessadas em encontrar profissionais T-Shaped e se você já se deparou com esse termo em alguma vaga e quer entender melhor o assunto, este texto é para você. Siga na leitura para descobrir o que é um profissional T-Shaped e como se tornar um.

 

O que é um profissional T-Shaped

Em tradução literal para o português, T-Shaped significa “em forma de T”. Esse tipo de profissional ganha esse nome por ser, ao mesmo tempo, especialista e multidisciplinar. Isso quer dizer que, ao mesmo tempo em que ele possui uma ou duas competências em que é especialista, ele tem diversos outros conhecimentos e pode atuar em diferentes frentes e projetos.

O formato do T está relacionado a isso porque a linha horizontal da letra representa as multi-habilidades do profissional, enquanto a linha vertical mostra sua capacidade de aprofundamento em algum assunto específico.

Esse tipo de profissional é cada vez mais bem cotado pelas empresas, que buscam por alguém que seja muito bom em algo, mas que possa trabalhar, também, com diversas outras coisas e abrir novas possibilidades, podendo contribuir amplamente dentro da organização.

É importante lembrar também que, entre essas habilidades diversas, não são levadas em consideração somente os conhecimentos acadêmicos e práticos relacionados à sua área de trabalho em si, mas também as chamadas soft skills ou habilidades comportamentais.

Um profissional que deseja se destacar no mercado e alavancar sua carreira não deve deixar de lado o aprendizado e o exercício de habilidades como comunicação, colaboração, relacionamento, resiliência, inteligência emocional e flexibilidade. 

A flexibilidade, inclusive, é a “alma” de um profissional T-Shaped, que deve estar sempre preparado para se adequar rapidamente às mudanças.

 

Benefícios de ser um profissional T-Shaped

Para além de se tornar mais bem posicionado na corrida pelas melhores vagas e empresas, ser um profissional T-Shaped traz outros benefícios particulares, como por exemplo a vantagem de se sentir constantemente interessado e estimulado pelo trabalho. 

Focar toda a sua carreira e o seu trabalho em apenas uma área de conhecimento pode trazer grandes períodos de tédio e monotonia, por mais interessante que esse assunto seja. Desenvolver e trabalhar com várias outras habilidades traz mais diversidade à sua rotina de trabalho e pesquisa e, com isso, oferece imprescindíveis momentos de “pausa” para a cabeça do assunto de sua especialidade.

Por outro lado, ser especialista em ao menos um assunto traz a satisfação de saber muito sobre um determinado assunto – e sempre ter mais para aprender. Deu para perceber como as linhas horizontal e vertical do T funcionam tão bem juntas?

Mas agora que você entendeu o que é um profissional T-Shaped e quais são os benefícios de sê-lo, é hora de aprender a como se tornar um. 

 

Como se tornar um profissional T-Shaped

A jornada para se desenvolver como um profissional T-Shaped não se faz de uma hora para outra e é regada a diversos passos, sendo que tudo começa quando você para para pensar sobre quais habilidades você precisa ter, de acordo com a carreira que segue.

 

1. Se pergunte quais são as habilidades que você já possui

Para entender quais habilidades você precisa aprender e construir, primeiro é preciso analisar as habilidades que você já tem e avaliar o seu nível em cada uma delas. Para isso, liste todas as que você consegue pensar e escreva, ao lado de cada uma se:

  • Você sabe que essa habilidade existe e deseja aprender sobre ela, mas sente que não sabe praticamente nada e nunca estudou ou praticou o assunto.
  • Você já começou a aprender sobre essa habilidade, mas ainda se considera bastante novato e não sabe executá-la de fato.
  • Você já começou a traçar um caminho mais sólido: ainda precisa de guias e estudos, mas já é capaz de exercer por si mesmo algumas funções que dependem dela.
  • Você se sente competente na habilidade e sabe que já passou pelos conhecimentos introdutórios, mas precisa aprender como aplicá-la melhor de forma prática nas funções do dia a dia.
  • Você se sente profissional nessa habilidade e consegue fazer mais com ela do que muitas pessoas, mas ainda não é um especialista e fica em dúvida do que fazer em determinadas situações.
  • Você é um especialista nessa habilidade e consegue trabalhar com ela de maneira muito natural e intuitiva. As pessoas pensam em você quando querem aprender mais sobre o assunto.

Ao fazer sua lista de habilidades, não se esqueça de adicionar, também, as soft skills (habilidades comportamentais).

 

2. O que fazer com sua lista de habilidades

Depois de listar todas as habilidades que você tem e as que você acredita que são importantes para o desenvolvimento na sua carreira, bem como seu nível de aprendizado e proficiência em cada uma delas, é a hora de decidir quais são as que você deseja melhorar, quais você está confortável em manter como estão, quais você sente que precisa adicionar além das listadas e, é claro, em qual você deseja realmente se aprofundar.

Em um primeiro momento, parece estranho decidir simplesmente manter um conhecimento inicial em alguma habilidade, mas lembre-se de que isso faz parte de ser um profissional T-Shaped: você não será especialista em tudo – isso é impossível! É preciso, constantemente, exercitar o autoconhecimento e a autopercepção para escolher a competência na qual você buscará se especializar e, entender, que nas outras o seu conhecimento será mais superficial.

Ao avaliar o seu nível em cada uma das habilidades listadas, você provavelmente já pensou sobre algumas em que gostaria de ser melhor do que é. No caso destas, comece a pesquisar um pouco mais a respeito para entender como começar a trabalhar nelas, seja com cursos ou novas funções e responsabilidades que possam te fazer exercitá-la mais na prática.

Já em outras habilidades, por outro lado, pode ser que você se sinta satisfeito com seu nível de aprendizado atual – e tudo bem! Neste caso, não invista tempo e dinheiro melhorando o que não te interessa. Lembre-se de avaliar e levar em consideração, no entanto, a real necessidade dessas habilidades para a evolução da sua carreira e sua importância no mercado.

Ao avaliar a sua lista, pense também nas habilidades que você anotou – mas que estão marcadas como o nível inicial, ou seja, os assuntos sobre os quais você não sabe praticamente nada. Essas são as habilidades que você precisa adicionar e aprender, seja porque elas te interessam ou porque são consideradas importantes para sua carreira. Ao olhar para elas, busque maneiras de adquirir ao menos um conhecimento inicial para, depois, entender se faz sentido melhorá-las ou mantê-las no nível básico.

Por fim, dentre todas as habilidades listadas, é preciso definir a competência em que você deseja se especializar: aquela em que você vai mergulhar mais fundo. Essa será a linha vertical do seu T, e o ideal é que seja um assunto do qual você realmente goste, já que precisará estudar muito sobre ele e praticá-lo com muito foco – não se torna, afinal de contas, um especialista da noite para o dia. 

Na hora de encaixar todas essas habilidades nessas devidas categorias, lembre-se da importância de levar em conta os seus interesses pessoais. Ser um profissional diferenciado passa, também, por suas próprias características e gostos, então nunca deixe de levá-los em consideração. É claro que você deve analisar o mercado, mas evite desenvolver uma habilidade só porque “todo mundo está fazendo isso”. 

Além de ser muito mais difícil aprender e praticar algo pelo que você não tem interesse, se esse assunto está sendo tão visado e estudado por todos… pode ser que em breve ele já não seja tão levado em conta como diferencial, não é mesmo? Olhe para você e escolha, para desenvolver, assuntos que realmente te fascinam. Aprender algo que você gosta jamais será em vão.

 

3. É hora de testar!

Você pode até já ter dividido previamente as suas habilidades nas categorias sugeridas no tópico anterior, mas assim, de forma teórica, provavelmente foi difícil ter certeza sobre várias delas – principalmente sobre a qual você realmente deseja se especializar.

Por isso, o ideal é testar. Comece a aprender o básico sobre muitas delas e, por meio deste contato inicial, descubra aquelas que te pareceram mais interessantes. É apenas a partir deste teste que você vai começar a entender em quais vale mais a pena investir mais do seu tempo e do seu dinheiro. 

Nesse momento, também, avalie mais atentamente a habilidade na qual você cogita se especializar para entender se ela oferece campos o suficiente de especialização e quais são os mais úteis dentre esses campos. 

 

4. Não deixe que sua escolha de área principal te limite

Depois de testar um pouco de cada habilidade e definir a sua “favorita”, aquela na qual você vai se especializar, é importante nunca perder de vista que seu objetivo é se tornar um profissional T-Shaped e, para isso, não pode deixar as outras de lado!

Em um primeiro momento, pode ser que a vontade de mergulhar fundo na habilidade que você mais gosta seja a parte mais empolgante do processo, mas não deixe que isso te limite. Reserve um tempo para ela, mas lembre-se, também, de exercitar as outras!

 

5. Tenha vontade de aprender sobre os mais variados assuntos

Por mais que você não vá aprender profundamente sobre todos os assuntos do mundo, lembre-se que cultura geral e repertório são fundamentais tanto para o seu desenvolvimento pessoal quanto profissional.

A curiosidade é uma habilidade comportamental que nunca deve ser deixada de lado e, portanto, para ser um profissional T-Shaped faça questão de exercitar esse lado: seja antenado, se inteire das novidades do mundo e leia livros sobre os mais diversos assuntos. A curiosidade intelectual sempre te tornará mais interessante, desafiará seus paradigmas e te tornará mais apto a trocar ideias.

 

Na prática e em resumo:

Ok: agora que você já aprendeu um tanto sobre as estruturas sobre as quais se forma um profissional T-Shaped, saiba que para tornar isso uma realidade é preciso:

  • Criar o hábito constante de se desenvolver e aprender.
  • Trabalhar nos mais diversos projetos da empresa, para se desenvolver em diferentes áreas e mostrar seu interesse e curiosidade.
  • Acompanhe atentamente e frequentemente os seus progressos e revise a sua lista inicial para entender o quanto ela está fazendo sentido e se algumas coisas mudaram.
  • Lembre-se de, sempre, dar um tanto de atenção à mais no dia a dia para a sua área de interesse – como dissemos acima, ninguém se especializa da noite para o dia: é preciso colocar energia e investimento nisso!
  • Por último, mas não menos importante: não desista! Esse é trabalho constante e que não tem, obrigatoriamente, uma linha de chegada. Um profissional T-Shaped deve estar sempre se especializando mais e aprendendo mais – e tornar essa evolução e esse aprendizado a sua verdadeira motivação.

 

Se você gostou deste conteúdo, não se esqueça de se inscrever na newsletter da FlowUp para receber em primeira mão os nossos conteúdos sobre cultura empresarial e evolução profissional!